Desoneração de tarifa é desafio para setor de ônibus



           Ônibus: desafios com passageiros mostrados em pesquisa (Foto: Diário da Manhã)

A pesquisa Mobilidade da População Urbana 2017, da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), mostra que a redução do valor das tarifas é o principal desafio do setor rodoviário para retomada dos passageiros dos ônibus urbanos. 

O presidente da NTU, Otávio Cunha, destacou que 62% das pessoas que abandonaram os ônibus voltariam para o transporte coletivo, se o valor da passagem fosse menor. Ele aponta ainda alternativas à redução do custo do transporte.

 "Deve ser feita a flexibilidade das rotas, atualização das redes de transporte para que os passageiros tenham mais opções de linha e horários. A CIDE também pode ser um dos caminhos para resolver esta questão”, argumenta Otávio Cunha.

 O presidente da CNT, Clésio Andrade, afirma que é preciso criar um círculo virtuoso. “A única forma de desafogar o sistema é a desoneração tarifária, com a retirada dos impostos do diesel e das peças, por exemplo”, propõe.

 Diagnóstico

 Realizada entre 12 e 23 de junho de 2017, a pesquisa Mobilidade da População Urbana 2017 foi divulgada no Seminário Nacional NTU 2017, de 29 a 31 de agosto, em São Paulo.

 O estudo mostra ainda que 45,2% de todos os deslocamentos são realizados por meio de ônibus urbanos. Porém, o modal deixou de ser utilizado como meio de transporte público por 38,2% dos entrevistados.

 Desses, 16,1% o abandonaram totalmente, e outros 22,1% diminuíram o uso. Após deixarem os coletivos, 35,8% dos entrevistados migraram para o carro próprio; 29,1% passaram a andar a pé; 7,9% mudaram para as bicicletas; 7,8%, para as motos; e 3,5%, para os metrôs.

 Outros modos, como táxis, serviços de carona e de aplicativos de celulares, correspondem juntos a cerca de 10% dessa substituição. (Com informações da CNT e NTU)

 

Por Comunicação FETRAM